Federico PARRA / AFP
Federico PARRA / AFP

Juiz dos EUA retira sete das oito acusações contra aliado de Maduro

Empresário colombiano Alex Saab respondia por lavagem de dinheiro

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de novembro de 2021 | 19h57

Um juiz dos Estados Unidos retirou nesta segunda-feira, 1, sete das oito acusações de lavagem de dinheiro contra o empresário colombiano Alex Saab, suposto testa de ferro do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

A decisão foi tomada a pedido do procurador americano Kurt Lunkenheimer, com base nas "garantias feitas a Cabo Verde durante o processo de extradição" do empresário, concluído em 16 de outubro, com a chegada de Saab a Miami. Saab ainda responde a uma acusação, a de conspiração para lavar dinheiro.

A solicitação inclui apenas Saab, sem citar o empresário colombiano Álvaro Pulido, incluído no mesmo processo penal e atualmente foragido.

Os procuradores acreditam que Saab e Pulido transferiram 350 milhões de dólares obtidos ilegalmente na Venezuela para lavá-los através dos Estados Unidos.  

Promotores americanos afirmam que os dois assinaram um contrato com o governo da Venezuela em novembro de 2011 para construir moradias para famílias de baixa renda. 

Eles teriam lucrado e implantado um esquema de propinas, aproveitando-se da taxa de câmbio controlada pelas autoridades venezuelanas. 

Saab é alvo de sanções do Departamento do Tesouro dos EUA desde maio de 2019, por lavar dinheiro obtido ilegalmente através de um sistema ed subsídios alimentares na Venezuela, e foi capturado em Cabo Verde em junho de 2020, com base em um mandado emitido pela Interpol.

A extradição de Saab, a quem a oposição venezuelana acusa de ser testa de ferro do presidente Nicolás Maduro, irritou Caracas. 

O governo Maduro, que deu ao colombiano a nacionalidade venezuelana e um título de embaixador, lutou sem sucesso para evitar que o empresário  fosse levado aos Estados Unidos.  /AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.