Juiz equatoriano ordena a prisão de representante da E-vote

Um juiz da província litorânea de Guaias ordenou a detenção de Santiago Murray, representante no Equador da empresa brasileira E-vote, que está sendo investigada pela falha no sistema de apuração rápida de votos nas eleições de domingopassado. Segundo a imprensa local, o juiz número 15 do Tribunal Penal de Guaias ordenou na quarta-feira a detenção de Murray, por 24 horas e com caráter investigativo, atendendo a um pedido daPromotoria. Um juiz de Quito já havia ordenado a apreensão dos bens da E-vote e proibido a saída do país de Murray, devido às denúncias de um suposto crime de informática. A E-vote foi contratada pelo Tribunal Supremo Eleitoral (TSE) para a apuração rápida dos votos, mas seu sistema caiu e a empresa não pôde completar o trabalho. Paulo Martins, presidente da E-vote, descartou a possibilidade de fraude e culpou o TSE equatoriano pelo colapso do sistema operacional para atransmissão de resultados. Martins disse em Quito que o problema foi causado pela mudança no formato de atas dos resultados da eleição. O sistema, segundo ele, não reconheceu os dados e situou resultados nos lugares errados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.