Tony Dejak/AP
Tony Dejak/AP

Juiz estipula fiança de acusado por sequestros em US$ 8 milhões

Ariel Castro foi indiciado por sequestro e estupro de Amanda Berry, Gina DeJseus e Michelle Knight

O Estado de S. Paulo,

09 de maio de 2013 | 09h13

CLEVELAND - Para deixar a prisão, Ariel Castro, indiciado por sequestro e estupro de Amanda Berry, Gina DeJesus e Michelle Knight, terá de pagar US$ 8 milhões. O juiz americano que cuida do caso estipulou uma fiança de US$ 2 milhões para cada sequestro, incluindo o da filha de Berry, uma menina de seis que, segundo a polícia, nasceu no cativeiro.

O ex-motorista de ônibus escolar foi preso na segunda-feira 6, após as três mulheres e a criança serem resgatadas. Ele compareceu ao tribunal nesta quinta-feira, 9, e permaneceu com a cabeça baixa enquanto os advogados conversavam com o juiz.

A polícia disse ter conversado longamente com Castro e com as três mulheres para montar o caso. Embora não tenha divulgado muitos detalhes, a polícia informou que as três foram mantidas dentro da casa de Castro durante praticamente todo o tempo nos últimos dez anos.

As três desapareceram em circunstâncias diferentes entre 2002 e 2004

Ariel Castro, de 52 anos, é considerado o único suspeito pelos crimes. A promotoria não indiciou seus irmãos, Pedro, de 54 anos, e Onil, de 50, afirmando que não há evidências de que eles participaram do crime.

Segundo a polícia, aparentemente as mulheres eram mantidas presas por cordas e correntes e ficavam em quartos diferentes. Elas sofreram prolongados abusos sexuais e psicológicos e passaram por abortos, segundo um funcionário da administração municipal.

O vereador Brian Cummins disse que muitos detalhes permanecem obscuros, dentre eles o número de gravidez e as condições em que os abortos aconteceram. Ele disse que as três mulheres eram mantidas no porão durante algum tempo, sem acesso ao restante da casa.

Fuga. Na segunda-feira, Amanda Berry, de 27 anos, conseguiu sair da casa, com a ajuda de um vizinho que ouviu seus gritos de socorro, e telefonou para a polícia.

O chefe de polícia adjunto Ed Tomba disse, durante uma coletiva de imprensa, que um teste de paternidade está sendo realizado para estabelecer se Ariel Castro é o pai da menina de 6 anos.

Em 2005, Castro foi acusado de ter cometido vários atos de violência contra a ex-mulher. Um processo aberto num tribunal de violência doméstica acusa Ariel de ter quebrado duas vezes o nariz dela com socos, ter descolado seus dois ombros e ameaçado matá-la e às suas filhas três ou quatro vezes no período de um ano.

Ariel foi preso em 1993 após uma denúncia de violência doméstica, mas um júri decidiu não indiciá-lo. / AP

Assista ao vídeo, em inglês, da ida de Ariel Castro ao tribunal:

Tudo o que sabemos sobre:
EUAClevelandsequestroAriel Castro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.