Charlottesville Police Department/Handout via REUTERS
Charlottesville Police Department/Handout via REUTERS

Juiz nega fiança para motorista que atropelou manifestantes nos EUA

Em audiência nesta segunda-feira, magistrado Robert Downer decidiu que James Alex Fields Jr. continuará detido no mínimo até que um advogado assuma sua defesa; defensoria publica informou que não poderia representá-lo por conflito de interesses

O Estado de S.Paulo

14 Agosto 2017 | 12h46

CHARLOTTESVILLE, EUA - O motorista de 20 anos acusado de ter atropelado no sábado manifestantes contrários a uma marcha de extrema direita na cidade de Charlottesville, na Virgínia, continuará detido até que um advogado assuma sua defesa.

Nesta segunda-feira, 14, o juiz Robert Downer se recusou a estabelecer uma fiança para James Alex Fields Jr. depois que a defensoria publica informou que não poderia representá-lo por conflito de interesses - o parente de um funcionário do órgão está entre os feridos no incidente, definido nesta segunda como terrorismo interno pelo secretário de Justiça dos EUA, Jeff Sessions

O juiz também designou o advogado local Charles Weber para a defesa de Fields. A próxima audiência do caso está prevista para o dia 25, mas depois que assumir o caso o defensor poderá pedir que a sessão seja adiantada.

Fields, que não esteve presente fisicamente na Corte, foi ouvido por meio de videoconferência. Ele estava sentado e usava um uniforme com listras pretas e brancas. Quando perguntado se entendia a explicação do juiz, ele respondeu apenas com um "sim senhor". E disse "não senhor" ao ser questionado se tinha laços com a comunidade de Charlottesville.

Fields é acusado pela morte de Heather Heyer, de 32 anos, uma moradora da cidade. Ela foi vitimada depois de o carro que, segundo testemunhas, era dirigido pelo acusado, atropelar dezenas de pessoas que protestavam contra uma marcha de grupos supremacistas brancos e racistas na cidade. 

Segundo a polícia ele avançou com seu veículo Dodge Challenger prateado conta a multidão, matando Heather e ferido outras 19 pessoas. E foi preso pouco depois do incidente.

Horas antes, Fields foi fotografado carregando o emblema do Vanguard America, um dos grupos racistas que organizou a campanha "Tomar a América de volta" em protesto contra a remoção de uma estátua confederada da cidade. No domingo, o grupo negou qualquer relação com o suspeito.

A mãe de Fields, Samantha Bloom, afirmou à Associated Press na noite de sábado que tinha conhecimento de que seu filho iria para Virgínia para um ato político, mas não imaginava que ele estava envolvido com supremacistas brancos.

"Eu falei para que ele tomasse cuidado", disse Samantha, completando que o alertou para em caso de protestos "certificar-se de agir pacificamente". / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.