Juiz recusa pedido de interrogar rainha por morte de Diana

O juiz que conduz o inquérito da morte da princesa Diana e de seu namorado recusou-se nesta segunda-feira, 9, a listar a rainha Elizabeth II e seu marido, o príncipe Philip, como testemunhas potenciais. O pedido foi feito numa audiência preliminar por Michael Mansfield, advogado de Mohamed al-Fayed, cujo filho Dodi morreu junto com Diana quando o carro que os transportava bateu em alta velocidade no interior de um túnel em Paris há quase dez anos. Al-Fayed alega que Diana estava grávida de um filho de Dodi e acredita que o casal tenha sido vítima de um complô elaborado pelo príncipe Philip. "Não me parece necessário nem adequado realizar novos interrogatórios a essa altura", observou o magistrado Scott Baker. Mansfield queria que fosse perguntado à rainha se ela realmente advertiu o ex-mordomo de Diana, Paul Burrell, sobre "outras forças agindo dentro do Estado", conforme alega Burrell.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.