REUTERS/Trish Badger
REUTERS/Trish Badger

Juíza rejeita pedido para proibir Ted Cruz de concorrer à presidência dos EUA

Cidadão americano havia pedido que o candidato fosse impossibilitado de participar do pleito por não ter nascido no país

O Estado de S. Paulo

02 de março de 2016 | 11h01

WASHINGTON - Uma juíza de Illinois recusou na terça-feira o pedido de um cidadão que queria que o senador republicano Ted Cruz fosse proibido de concorrer no processo de eleições primárias para a presidência dos EUA por ter nascido no Canadá, apesar de ter cidadania americana.

Na ordem judicial, a juíza Maureen Ward Kirby rejeitou o pedido de Lawrence Joyce, um morador da cidade de Poplar Grove que argumentava que Cruz não poderia concorrer à Casa Branca porque, segundo sua interpretação da lei, é preciso nascer nos EUA para poder ser cidadão do país.

Cruz, de mãe americana e pai cubano, nasceu com a dupla nacionalidade dos EUA e do Canadá, mas decidiu renunciar à canadense quando ganhou sua cadeira no Senado em 2012.

Além das implicações judiciais, a ordem do juiz afeta um dos ataques mais usados durante a campanha pelo magnata Donald Trump, favorito à indicação republicana para as eleições presidenciais de novembro, que questionou a possibilidade de Cruz ser pré-candidato à presidência sem ter nascido nos EUA.

O país realizou na terça-feira as votações da chamada Superterça, evento eleitoral mais importante do processo de primárias. Trump e a democrata Hillary Clinton venceram na maioria dos 12 Estados que foram às urnas. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.