Juiz rejeita recurso a favor de acusado de tortura no Iraque

Um juiz militar negou nesta segunda-feira o pedido da defesa de um dos soldados acusados de torturar presos iraquianos para que o julgamento do réu fosse realizado fora do Iraque. Além disso, o juiz decidiu que a prisão de Abu Ghraib seja considerada cena de crime e, por isso, não poderá ser demolida conforme desejo manifestado pelo presidente dos EUA George W. Bush.O juiz, coronel James Pohl, emitiu as ordens durante as audiências preliminares do julgamento de três dos sete soldados acusados de maltratar presos iraquianos. Na primeira de três audiências, Pohl negou o pedido apresentado pelo advogado do sargento Javal S. Davis para que o julgamento fosse realizado fora do Iraque e que fosse convocada nova audiência que considerasse novas evidências e testemunhos.O advogado de Davis, Paul Bergrin, obteve, entretanto, permissão para solicitar os depoimentos do principal dirigente das forças dos EUA no Iraque, o general Ricardo Sánchez, e do chefe do Comando Central norte-americano, general Donald H. Rumsfeld. O juiz também deixou aberta a possibilidade de a defesa convidar outras pessoas a depor se achar relevante.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.