Juiz revoga ordem de prisão de Menem

O ex-presidente Carlos Menem (1989-99) poderá voltar à Argentina sem correr o risco de ser preso. O anúncio foi feito pelo juiz Norberto Oyarbide, que declarou ter revogado a ordem de prisão que havia emitido meses atrás. Na ocasião, o juiz deu a ordem por considerar Menem responsável de "omissão maliciosa" da existência de uma conta bancária na Suíça - com um total de US$ 650 mil - em sua declaração de bens.Na semana passada, para permitir o retorno do ex-presidente ao país, Oyarbide havia determinado que este teria que pagar uma fiança de 3 milhões de pesos (US$ 1 milhão). Na sexta-feira à noite, sua fiha, Zulemita Menem, e um grupo de três amigos, entre eles Armando Gostanián, ex-diretor da Casa da Moeda, colocaram à disposição do juiz, como garantia da fiança, um total de bens com valor superior a US$ 1 milhão. Nesta segunda-feira, Oyarbide aceitou a garantia dos imóveis e suspendeu a ordem de prisão nacional e internacional que pairava sobre o ex-presidente. Menem estava foragido da Justiça argentina, que ao longo deste ano o convocou várias vezes para prestar depoimento. O ex-presidente, desde o ano passado, estava refugiado no Chile, onde reside com sua esposa, a ex-miss Universo Cecilia Bolocco, e seu filho Máximo, de um ano. Menem pretende retornar à Argentina nesta quarta-feira à noite.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.