Juiz solta colombiano que roubou quadro da casa presidencial

Um juiz da capital colombiana ordenou nesta sexta-feira a libertação do suboficial da Marinha que na quinta-feira furtou uma valiosa tela da Casa de Nariño, residência oficial do presidente Álvaro Uribe.A ordem judicial foi dada durante a audiência com a presença do sargento Edward Jair Ardila. Há quatro anos ele trabalha no corpo de segurança do edifício do Executivo.Segundo o juiz, a detenção de Ardila foi ilegal porque a sua ordem de captura ainda não havia sido formalizada. Além disso, os serviços de segurança da Casa de Nariño mantiveram o oficial detido durante mais de cinco horas, quando ele deveria ter sido levado a investigadores da Promotoria Geral.A diligência terminou sem o juiz imputar a Ardila a acusação de furto da obra "Condor", do artista espanhol Alejandro Obregón. A peça, de grande formato, estava no salão do Conselho de Ministros e seu desaparecimento foi informado nesta sexta-feira pelo secretário-geral da Presidência, Bernardo Moreno.A tela havia sido "cortada junto à moldura". O militar que tentou roubar a obra foi detectado pelas câmeras de segurança da Casa de Nariño, segundo Moreno.Ele revelou que o sargento "foi submetido há alguns meses a um tratamento por estresse". O "Condor" de Obregón, de 1,90 por 2 metros, foi pintado peloartista em 1971, encomendado pelo então presidente colombiano, Misael Pastrana Borrero. O artista morreu em 1991,em Cartagena. Ele era amigo do escritor Gabriel García Márquez, ganhador do Prêmio Nobel de Literatura em 1982.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.