Fernando Vergara/AP
Fernando Vergara/AP

Juíza concede liberdade a Álvaro Uribe

Ex-presidente colombiano é investigado por suborno, fraude processual e manipulação de testemunhas contra um senador opositor

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de outubro de 2020 | 16h41

BOGOTÁ - Uma juíza ordenou neste sábado, 10, a "liberdade imediata" do ex-presidente colombiano Álvaro Uribe, em prisão domiciliar há quase dois meses, enquanto avança o processo que o investiga por manipulação de testemunhas contra um senador opositor.

Em uma audiência pública virtual, a juíza de garantias Clara Salcedo derrubou a medida contra o ex-presidente (2002-2010) depois do pedido da defesa e com o apoio do Ministério Público.

"Em consequência, será ordenada a libertação imediata do Dr. Álvaro Uribe", determinou a magistrada.

"Graças a Deus", celebrou o ex-presidente em mensagem no Twitter após ser informado da decisão. 

A Corte Suprema havia ordenado em 4 de agosto a detenção do então também senador por suborno e fraude processual.

Uribe renunciou, porém, ao assento que ocupava no Senado desde 2014, e com isso o processo foi encaminhado a um juiz de garantias que revogou a prisão domiciliar e permitiu que ele se defendesse em liberdade.

Com 68 anos, Uribe lidera o Centro Democrático, o partido no poder, e é mentor do atual presidente Iván Duque.

O ex-presidente terminou envolvido num verdeiro imbróglio judicial. Em 2012 apresentou uma denúncia contra o senador opositor Iván Cepeda por um suposto complô contra ele apoiado em falsos testemunhos. Mas a Corte Suprema se absteve de julgar Cepeda e, em contrapartida, decidiu abrir em 2018 uma investigação contra o ex-presidente sob a mesma suspeita: manipular testemunhas contra seu opositor. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.