Julgamento de 'crime de honra' começa hoje em Phoenix

O julgamento de um imigrante iraquiano acusado de matar sua filha porque ela estava muito "ocidentalizada" terá início hoje em Phoenix. A polícia afirma que Faleh Almaleki jogou seu jipe contra sua filha de 20 anos, Noor Almaleki, e a mãe de seu namorado num estacionamento em Phoenix em 2009.

AE, Agência Estado

24 de janeiro de 2011 | 17h55

A mãe do namorado sobreviveu, mas Noor ficou em coma por duas semanas antes de morrer. Almaleki, de 50 anos, afirmou ser inocente dos crimes de assassinato em primeiro grau, tentativa de assassinato em primeiro grau, agressão e fuga da cena do crime após acidente grave. O júri vai ouvir a abertura dos trabalhos hoje. O caso estarreceu os promotores, que consideram a morte de Noor um "assassinato de honra", já que Almaleki considerava que sua filha desonrou a família e se tornou muito ocidentalizada.

Faleh Almaleki mudou-se com sua família para a região de Phoenix em meados da década de 1990. Ele queria que Noor seguisse as tradições iraquianas, mas ela queria ser uma típica garota americana, segundo registros do tribunal e amigos próximos. Aos 17 anos, ela se recusou a aceitar um casamento arranjado no Iraque, irritando o pai. Aos 19 anos, ela foi morar sozinha e começou a trabalhar num restaurante de fast-food, mas deixou o trabalho porque seus pais sempre iam ao local pedindo para que ela voltasse para casa. Em seguida, ela se mudou para a casa do namorado e de seus pais, Reikan e Amal Khalaf.

Documentos do tribunal informam que Faleh Almaleki costumava importunar a filha e disse uma vez a Reikan Khalaf que se sua filha não saísse da casa deles "algo ruim iria acontecer". Depois de Faleh Almaleki atropelar as duas mulheres em outubro de 2009, ele fugiu do país, mas foi capturado em Londres e levado de volta a Phoenix. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
assassinatojulgamentoiraquianoPhoenix

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.