Julgamento de integrantes do IRA é suspenso na Colômbia

O magistrado colombiano Jairo Acosta suspendeu nesta terça-feira o julgamento de três supostos membros do Exército Republicano Irlandês (IRA), acusados de treinar rebeldes colombianos, porque os promotores não conseguiram levar ao tribunal sua principal testemunha. Os depoimentos sobre o caso serão retomados apenas em fevereiro de 2003.John Alexander Rodríguez, um desertor das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), foi ouvido pela última vez num programa de reabilitação do governo. Mas as autoridades não conseguiram encontrá-lo novamente para levá-lo hoje à corte e testemunhar contra os três réus, disseram os promotores.De acordo com reportagens publicadas pela imprensa local, Rodríguez deveria testemunhar que conheceu James Monaghan, Niall Connolly e Martin McCauley em 1999, dentro de um abrigo seguro dos rebeldes no sul da Colômbia, e que os três acusados traziam lançadores de foguetes para vendê-los às Farc.Os três foram detidos no ano passado no Aeroporto de Bogotá, acusados de passarem diversas semanas no interior da área controlada pelos rebeldes no sul do país, para ensinar aos rebeldes técnicas na fabricação de bombas. Eles não foram acusados de tráfico de armas e não estava claro como a promotoria pretendia utilizar o testemunho de Rodríguez.Os três suspeitos, que viajavam com passaportes falsos, garantem que estavam na Colômbia para presenciar o processo de paz entre o então presidente Andrés Pastrana e representantes das Farc.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.