Julgamento de líder opositor deve começar hoje na Venezuela

Leopoldo López é acusado de quatro crimes durante os protestos de fevereiro e pode pegar até 10 anos de prisão

CARACAS, O Estado de S.Paulo

23 Julho 2014 | 02h03

Deve começar hoje o julgamento opositor venezuelano e líder do partido Vontade Popular (VP), Leopoldo López, acusado entre outras coisas de incitação à violência durante os protestos contra o governo de Nicolás Maduro, em fevereiro, que resultaram na morte de duas pessoas. Se for condenado por todos os crimes dos quais é acusado, o opositor pode pegar até 10 anos de prisão.

Na segunda-feira, a mulher de López, Lilian Tintori, pediu em Washington apoio internacional em favor da libertação de todos os presos políticos na Venezuela. Na semana passada, a defesa de López entrou com um pedido para adiar o julgamento em razão de algumas provas favoráveis ao opositor não terem sido aceitas.

O Tribunal 28 de Caracas, onde o julgamento deve ocorrer, tinha até a tarde de ontem para decidir sobre o pedido, mas até o começo da noite ainda não havia dado uma resposta. "Não pudemos provar a inocência de Leopoldo e nem vamos conseguir, caso o julgamento seja iniciado nestas condições de impotência", afirmou o advogado do opositor, Juan Carlos Gutiérrez.

O líder do VP, que se entregou voluntariamente à Justiça, é acusado pela promotoria venezuelana de ser o autor intelectual de incêndio intencional, incitação pública, danos e formação de quadrilha pelos violentos confrontos de 12 de fevereiro.

Prisões. O ministro do Interior, Miguel Rodríguez Torres, anunciou ontem a prisão de quatro pessoas - entre elas um adolescente de 15 anos - suspeitos de terem assassinado, no domingo, o prefeito do município de Arismendi, Enrique Franceschi. Torres descartou que o crime tenha sido cometido por motivação política, mas não deu mais detalhes da investigação. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.