AP
AP

Julgamento de Morsi é adiado às vésperas de referendo constitucional

Mau tempo provocou mudança de audiência para fevereiro, segundo o Ministério do Interior

Agência Estado

08 de janeiro de 2014 | 10h05

O julgamento do ex-presidente do Egito, Mohammed Morsi foi adiado nesta quarta-feira, 8, até o dia 1º de fevereiro, depois de condições ruins de tempo terem impedido um helicóptero de levar Morsi até o tribunal.  A aeronave, que deveria levar Morsi de uma prisão, perto da cidade mediterrânea de Alexandria, para o tribunal no leste do Cairo não pode decolar por causa da densa neblina, segundo o ministro do Interior, Mohammed Ibrahim. O juiz Ahmed Sabry Youssef adiou os procedimentos para 1º de fevereiro.

Morsi e outros 14 integrantes da Irmandade Muçulmana são acusados de incitar os atos que levaram ao assassinato de manifestantes do lado de fora do palácio presidencial em dezembro de 2012 - quando ele ainda estava no cargo. Pelo menos 10 pessoas morreram e centenas ficaram feridas. A audiência desta quarta-feira seria a segunda aparição de Morsi no tribunal desde que ele foi derrubado por um golpe, em 3 de julho.

Dezenas de partidários de Morsi entraram em confronto com forças de segurança nesta quarta-feira do lado de fora do tribunal. O Ministério do Interior, que comanda a polícia, disse que 17 manifestantes foram detidos. Outros 15 partidários de Morsi foram presos no distrito de Nasr City, reduto da Irmandade.

O adiamento da audiência do ex-presidente acontece menos de uma semana antes de os egípcios começarem a votar num referendo nacional sobre uma nova Constituição que, se aprovada por maioria simples, vai substituir a carta de inclinações islamitas aprovada durante o governo Morsi. Cerca de 680 mil egípcios que vivem no exterior começaram a votar nesta quarta-feira.

Advogados de defesa do ex-presidente afiram que o adiamento tem relação com o referendo sobre a Constituição, que acontece nos dias 14 e 15, e que a decisão do juiz teve motivação política. / AP

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoMorsijulgamentoadiamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.