Julgamento de mulher de ex-líder no PC chinês dura 7 horas

A protagonista do julgamento politicamente mais explosivo na China em três décadas não contestou nesta quinta-feira a acusação de homicídio formulada contra ela, numa audiência a portas fechadas que durou sete horas.

JOHN RUWITCH, Reuters

09 de agosto de 2012 | 19h05

O veredicto, que selará o destino de Gu Kailai, esposa do ex-dirigente comunista Bo Xilai, será anunciado numa data futura, segundo uma fonte judicial.

Gu é acusada de matar o empresário britânico Neil Heywood, que mantinha turvos contatos comerciais com o poderoso casal chinês. O dramático relato sobre como Heywood foi envenenado deve representar a pá de cal na carreira política de Bo, embora simpatizantes o vejam como vítima de um complô destinado a tolher suas ambições e desacreditar suas políticas esquerdistas.

"A acusada Bogu (Gu) Kailai e Zhang Xiaojun (assessor da família acusado de cumplicidade no crime) não apresentaram objeções às acusações de homicídio doloso", disse o funcionário judicial Tang Yigan.

A TV estatal mostrou Gu, de terno preto e camisa branca, sendo levada para o tribunal e instalada no banco dos réus. Ela parece ter engordado desde que foi presa, no começo deste ano.

Segundo Tang, os promotores acusaram Gu e Zhang de terem matado Heywood com um copo de água envenenada em novembro passado na região de Chongqing (sudoeste), após um desentendimento entre Gu e Heywood por razões comerciais. Bo governava o enorme município e era uma estrela em ascensão no Partido Comunista, mas perdeu seus cargos pouco antes de o escândalo vir à tona.

Sem entrar em detalhes, o funcionário disse que, pela versão dos promotores, Gu estava convencida de que Heywood havia se tornado uma ameaça a seu filho, Bo Guagua.

Observadores do processo disseram ao jornal The Washington Post que Heywood havia, sempre segundo a peça de acusação, ameaçado em um e-mail "destruir"" Guagua caso ele não lhe entregasse o dinheiro devido em uma frustrada operação imobiliária.

Por email, Guagua disse à Reuters que não poderia comentar detalhes das supostas transações com Heywood.

Gu e Zhang podem ser condenados à morte, mas muitos juristas acreditam que ela será condenada a uma longa pena de prisão, já que o desejo de proteger o filho, recém-formado em Harvard, pode servir de atenuante.

O advogado nomeado pelo Estado para representar Gu disse ao tribunal nesta quinta-feira que o próprio Heywood tinha alguma "responsabilidade no assunto", segundo a fonte judicial, que acrescentou que um representante da família da vítima demonstrou respeito pelo tribunal durante a audiência.

Familiares de Heywood em Londres não quiseram se pronunciar.

Tudo o que sabemos sobre:
CHINAGUJULGAMENTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.