Julgamento do autor de duplo atentado na Noruega começará em 2012

Segundo procurador-geral, acusação levará tempo para ser formulada devido a complexidade do caso

Efe

28 de julho de 2011 | 08h46

Norueguês presta homenagem a vítimas do atentado na ilha de Utoya

 

 

OSLO - O julgamento contra Anders Behring Breivik, autor confesso do duplo atentado na Noruega que causou 76 mortes, começará no ano que vem devido à complexidade do caso, anunciou nesta quinta-feira, 28, o procurador-geral norueguês, Tor-Aksel Busch.

 

Veja também:

linkMãe e filho saem ilesos de ataques

linkDeputado italiano elogia ideias de atirador norueguês

linkInteligência diz que atirador agiu sozinho

mais imagens GALERIA: A prisão de Halden - O 'novo lar' de Breivik

video VEJA: Câmera de loja gravou momento de explosão em Oslo

blog ARQUIVO: Relembre ataques na Europa

 

Segundo declarações à emissora "NRK", o caso é tão amplo que será preciso mais tempo para elaborar o sumário, por isso que a acusação poderá ser formulada "no início do ano que vem".

 

 

O procurador-geral ressaltou que há ainda muitos pontos sem esclarecer e que por respeito às vítimas e aos afetados, a investigação está sendo muito exaustiva.

 

"A polícia está em uma constante busca na ilha de Utoeya como no edifício governamental para achar provas. Além disso, muitos dos quais sobreviveram estão sendo interrogados, tudo isso a fim de saber o máximo possível do que ocorreu", indicou.

 

Na terça-feira passada, o procurador da polícia norueguesa, Christian Hatlo, antecipava a possibilidade de acusar Breivik por"crimes contra a humanidade", com o que poderia ser condenado a até 30 anos de prisão, frente à pena máxima de 21 anos que prevê o código penal norueguês.

 

O advogado de Breivik, Geir Lippestad, por sua vez, sugeriu na terça-feira que seu cliente "está louco" e vive em um mundo paralelo.

 

"Todo este caso aponta que ele está louco", assinalou Lippestad em um encontro com a imprensa no qual relatou publicamente os primeiros contatos com o ultradireitista Breivik.

 

Lippestad apontou que "ainda é muito cedo" para fazer qualquer avaliação definitiva sobre o estado mental de seu cliente e remeteu aos exames psicológicos que serão aplicados nos próximos dias por pelo menos dois especialistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.