Saurabh Das/AP
Saurabh Das/AP

Julgamento do estupro coletivo na Índia começa segunda-feira

Expectativa é de que promotor apresente acusações de homicídio, estupro, sequestro e outras ofensas

AE, Agência Estado

18 de janeiro de 2013 | 11h41

NOVA DÉLHI - O julgamento dos acusados de estuprar e agredir uma estudante dentro de um ônibus em movimento em Nova Délhi, no mês passado, está previsto para começar na próxima segunda-feira. As lesões da jovem foram tão graves que ela não resistiu e morreu dias depois, no hospital.

A expectativa é de que o promotor público Rajiv Mohan apresente acusações de homicídio, estupro, sequestro e outras ofensas contra os cinco homens presos pelo crime, segundo advogados de defesa envolvidos no caso. Os acusados podem enfrentar a pena de morte se forem condenados.

Os advogados de defesa dos cinco homens afirmam que seus clientes são e vão se declarar inocentes diante da corte. Mohan não quis comentar o assunto. O sexto homem acusado de estuprar a jovem é menor de idade e será julgado separadamente em uma corte juvenil.

O caso foi notícia nacional e internacional por semanas, provocando protestos sobre a falta de segurança às mulheres indiadas e pedidos para que as leis contra estupro e abuso sexual sejam mais rígidas no país.

A polícia alega que os seis homens acusados atraíram a jovem de 23 anos e um amigo que estava com ela para dentro de um ônibus na noite de 16 de dezembro e em seguida atacaram ambos, estupraram a moça e os despejaram nus em uma rodovia. A estudante morreu devido às severas lesões decorrente do crime.

As autoridades de Nova Délhi têm prometido que o julgamento será rápido, com audiências quase todos os dias, o que contrasta com a maior parte dos casos criminais julgados na Índia, que se arrastam por anos com longos intervalos entre as audiências.

As informações são da Dow Jones

Tudo o que sabemos sobre:
Índiaestupro coletivoNova Délhi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.