Julgamento do ex-presidente Morsi é retomado no Egito

O julgamento do presidente egípcio deposto Mohamed Morsi foi retomado neste sábado, após ele ter insistido em uma audiência separada por ainda se considerar o presidente legítimo do país. O ex-líder é acusado, juntamente com outros 14 membros da Irmandade Muçulmana, de incitar o assassinato de manifestantes de oposição em dezembro de 2012. Morsi ainda enfrenta outros quatro julgamentos.

Agência Estado

01 de fevereiro de 2014 | 11h09

A defesa do ex-presidente diz que não há provas de que ele incitou os confrontos e que a maioria das pessoas que foram mortas durante os conflitos eram membros da Irmandade Muçulmana.

A audiência deste sábado é a terceira sessão do julgamento, visto como um teste para as autoridades militares do Egito, que exercem uma pesada repressão sobre os partidários de Morsi. Primeiro presidente eleito do país após a retirada do ditador Hosni Mubarak do poder, em 2011, Morsi foi deposto após um levante em julho do ano passado, ficando pouco mais de um ano no poder.

A Anistia Internacional estima que, desde a derrubada de Morsi, 1,4 mil pessoas foram mortas durante confrontos entre partidários do ex-presidente e as forças de segurança do país. Meses de derramamento de sangue reduzem as chances de uma reconciliação política no Egito, país mais populoso do mundo árabe e que se prepara para uma eleição presidencial em meados de abril. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
MorsijulgamentoEgito

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.