Julho é o mês com mais mortes para tropas americanas no Afeganistão

66 soldados americanos morreram este mês em confronto com insurgentes do Taleban

estadão.com.br

30 de julho de 2010 | 09h33

O mês de julho deste ano é o mais violento para tropas americanas no Afeganistão desde a invasão do país, em 2001. Com a morte de seis soldados divulgadas nesta sexta-feira, 30, subiu para 66 o número de baixas neste mês.

Veja também:

link Suspeito de vazar documentos sobre a guerra está sob custódia

Dois soldados morreram na quinta em explosão de uma mina no sul afegão, mas a Isaf não detalhou nem as circunstâncias nem o local exato no qual ocorreu o fato. Outro militar faleceu, também na quinta, em um ataque semelhante, também no sul do país.

 

A maioria dos militares da Otan que morrem no Afeganistão são vítimas de ataque no arco sudeste do país, na fronteira com o Paquistão, onde predomina a etnia pashtun, a própria do Taleban, que mantêm forte presença na zona.

 

As minas e bombas de fabricação caseira são alguns dos métodos mais utilizados pelos insurgentes taleban para atacar as tropas internacionais no Afeganistão.

 

Neste ano, as baixas mortais das tropas já somam 405, de acordo com o portal independente "icasualties.org", que contabilizou 1.973 soldados mortos desde a queda do regime Taleban em 2001.

Civis mortos

 

Em outro comunicado publicado nesta sexta-feira, a Isaf acusou o Taleban de causar a morte de 13 civis e deixar outros quatro feridos em ataques nas últimas 24 horas no Afeganistão.

 

O ataque mais grave ocorreu na quinta-feira no distrito de Ab Band da província central de Ghazni, onde seis civis morreram baleados por rebeldes enquanto trabalhavam na construção e reparação de estradas, segundo oficiais afegãos citados pela Isaf.

 

Com informações da AP e da Efe

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoTalebanEUA: Otan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.