Junta de Mianmar condena declaração da ONU contra repressão

Em editorial, governo diz que não há motivo para mudar de rumo e que seguirá adiante

Efe,

16 de outubro de 2007 | 06h16

A Junta Militar de Mianmar (antiga Birmânia) condenou, nesta terça-feira, 16, a última declaração do Conselho de Segurança da ONU, que "deplorou com firmeza" a repressão das manifestações pacíficas dos monges budistas.  Veja também:Japão cancela doação de US$ 4,8 milhões a Mianmar Entenda a crise e o protesto dos monges Um editorial publicado na capa do jornal oficial The New Light of Mianmar, que o regime usa habitualmente para divulgar suas mensagens, assegurou que a declaração "não supõe qualquer motivo de preocupação". O artigo indicou que a ONU não pode justificar medidas contra o país porque, segundo sua opinião, "a situação em Mianmar não constitui nenhuma ameaça à paz e à segurança regional e internacional". "Seguiremos adiante. Não há motivo para mudar de rumo", acrescentou a mensagem da Junta Militar, que novamente acusou os meios de comunicação estrangeiros e a dissidência no exílio de fabricar notícias e semear o pânico entre a população. No sábado passado, China e Rússia se opuseram a uma resolução de condenação do Conselho de Segurança, e este optou finalmente por limitar-se a deplorar "com firmeza" a violência da repressão dos protestos exercida pelos soldados birmaneses. A declaração pediu também a libertação de todos os presos políticos e detidos e o início de um diálogo entre a Junta Militar e a oposição democrática liderada pela Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, sob prisão domiciliar desde 2003. O regime admitiu que dez pessoas morreram durante a repressão das manifestações e que cerca de 2.700 manifestantes foram detidos, mas fontes da dissidência calculam que o número de mortos chega a 200 e que o de detidos ultrapassa os 6.000. Mianmar é governada pelos militares desde 1962 e não realiza eleições parlamentares desde 1990, quando o partido oficial perdeu para a coalizão opositora liderada por Suu Kyi, em um resultado que jamais foi reconhecido pelos generais.

Tudo o que sabemos sobre:
MianmarONUprotestomonges

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.