Efe
Efe

Junta de Mianmar deve libertar líder da oposição no sábado

Vencedora do prêmio Nobel da paz de 1991 está presa há 15 anos em Mianmar

estadão.com.br,

10 de novembro de 2010 | 11h50

BANGCOC  - A líder da oposição em Mianmar, Aung San Suu Kyi, vencedora do prêmio Nobel da Paz em 1991, deve ser libertada pela junta militar neste sábado, 13, após de 15 anos na prisão.

Veja também:

especial Infográfico: Todos os Nobel da Paz

A pena de Suu Kyi acaba nesta semana. Ela cumpre 18 meses de prisão domiciliar após um americano tentar contactá-la em sua casa, em maio de 2009, quando estava prestes a ser libertada.

Seu filho mais novo, Kim Aris, de 33 anos, veio do Reino Unido para a Tailândia e tenta obter um visto para entrar no país.

Uma fonte do governo birmanês afirmou a AFP que a libertação deve acontecer no sábado. "Ainda não recebemos instruções dos superiores, mas preparamos o plano para o dia 13 de novembro", disse.

No domingo, aconteceram as primeiras eleições em 20 anos na história do país. O partido da junta militar conquistou 80% dos votos, mas organismos internacionais e a oposição denunciam o caráter fraudulento da votação. Os partidários de Suu Kyi boicotaram o pleito.

Em 1990, o partido de Suu Kyi, a Liga Nacional pela Democracia venceu as eleições, mas a junta militar nunca reconheceu o resultado do país.

Tudo o que sabemos sobre:
Aung San Suu KyiMianmarjunta militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.