Junta egípcia garante realização de eleições no dia 28

Trégua entre policiais e manifestantes entra em vigor no Cairo e ex-premiê é encarregado de formar novo governo

LOURIVAL SANTANNA , ENVIADO ESPECIAL / CAIRO, O Estado de S.Paulo

25 de novembro de 2011 | 03h02

A junta militar que governa o Egito confirmou ontem a realização das eleições parlamentares, marcadas para começar na segunda-feira, prosseguindo, em seis turnos, até março do ano que vem. O anúncio coincidiu com uma trégua entre manifestantes e policiais, que começou a ser observada a partir das 6 horas de ontem, e a nomeação de um novo primeiro-ministro - Kamal Ganzouri, que foi premiê entre 1996 e 1999.

A junta afirmou que Ganzouri deve formar um governo até segunda-feira e se desculpou pela morte de 38 manifestantes.

Essas concessões, combinadas com o anúncio, feito na segunda-feira, da realização de eleição presidencial até o fim de junho, não foram suficientes para os manifestantes que ocupam a Praça Tahrir, no centro do Cairo. Eles continuam exigindo a imediata saída dos militares do poder e prometem para hoje, dia do descanso semanal muçulmano, uma "marcha de 1 milhão" na praça.

Outra manifestação, de apoio à junta militar, está marcada também para depois da oração do meio-dia, na Praça Abbasya, a 15 minutos da Tahrir.

"Sair agora seria trair a confiança depositada nas nossas mãos pelo povo", declarou, em entrevista coletiva, o general Mukhtar el-Mallah, número 2 do Conselho Supremo das Forças Armadas, que governa o país desde a queda de Hosni Mubarak, em fevereiro. "Não vamos renunciar ao poder porque uma multidão cantando slogans quer isso. Estar no poder não é uma bênção. É uma maldição, uma responsabilidade muito grande." Na entrevista, a cúpula militar deixou claro que não pretende fazer mais concessões.

Mahmud Afifi, porta-voz do Movimento 6 de Abril, uma das organizações que lideram os protestos, disse ao Estado que as ofertas dos militares não são suficientes.

"As desculpas vieram tarde demais e os militares insistem que os mortos são vítimas, não mártires", observou Afifi, um advogado de 26 anos. "Estão atuando da mesma forma que Mubarak. Insistimos que os militares transfiram todo o poder para um governo civil."

O gabinete civil anterior renunciou na segunda-feira, em protesto contra a repressão às manifestações. Os críticos dizem que ele não tinha poder efetivo, e quem governa de fato são os militares.

Jovens manifestantes, incluindo profissionais e estudantes da área da saúde, com jalecos brancos, formaram cordões nas ruas que levam ao complexo do Ministério do Interior, foco dos confrontos, para separar os manifestantes dos policiais.

Antes da entrada em vigor da trégua, a jornalista egípcia de origem americana Mona el-Tahawy, de 44 anos, foi presa na linha de frente do conflito com a polícia nos arredores do ministério na madrugada de ontem. Ela disse que os policiais a golpearam com cassetetes, quebrando seu braço esquerdo e sua mão direita. Ela acusou ainda os agentes de agredi-la sexualmente, agarrando seus seios e colocando as mãos entre as suas pernas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.