Junta Militar de Mianmar anistia 8.552 presos

Libertação comemora a finalização da minuta de uma nova Constituição para o país

Efe,

04 de dezembro de 2007 | 05h35

A Junta Militar de Mianmar anistiou 8.552 presos entre novembro e dezembro, comemorando a finalização da minuta da nova Constituição do país, informa nesta terça-feira, 4, o jornal The New Light of Mianmar, o órgão de propaganda do regime. O jornal não revela quantos dos anistiados foram presos durante a repressão de setembro, quando cerca de 3 mil pessoas foram detidas após as manifestações pacíficas a favor da democracia. A minuta da Constituição foi concluída dia 3 de setembro pela Convenção Nacional de Mianmar. O mesmo órgão deve produzir um texto definitivo, no projeto de "democracia vigiada" prometida pelos militares. A minuta, anunciada após 14 anos de trabalho, foi rejeitada pela oposição democrática da Liga Nacional para a Democracia, liderada pela vencedora do Prêmio Nobel da Paz Aung San Suu Kyi. A Convenção Nacional, que o governo militar considera o pilar de seu plano de democratização do país, reúne cerca de mil delegados selecionados pelas autoridades para representar a vontade dos 46 milhões de birmaneses.

Tudo o que sabemos sobre:
Mianmar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.