Mohamed El Dakhakhny/AP
Mohamed El Dakhakhny/AP

Junta militar do Egito indica ex-premiê para formar novo governo

Kamal al-Ganzouri liderou gabinete no final da década de 1990, durante regime de Hosni Mubarak

Agência Estado

24 de novembro de 2011 | 18h49

CAIRO - A junta militar do Egito encarregou o político Kamal al-Ganzouri, um ex-primeiro-ministro, de formar um novo gabinete de governo, informaram na noite desta quinta-feira, 24, pelo horário local os canais privados da televisão egípcia.

 

Veja também:

especialInfográfico:  A revolução que abalou o mundo árabe

video TV Estadão: Manifestantes falam sobre eleições

mais imagens GALERIA: Enfretamentos no centro do Cairo

documento Artigo: Entre Teerã de 1979 e Berlim de 1989

blog Radar Global: Personagens, curiosidades e análises da crise

 

Ganzouri liderou o gabinete, de 1996 a 1999, que introduziu algumas medidas de liberalização econômica. Muitos egípcios o viam como uma autoridade não contaminada pela corrupção, mas o seu mandato sob o líder deposto Hosni Mubarak pode gerar oposição daqueles que exigem uma ruptura com o passado.

 

A TV estatal afirmou que o conselho militar havia se reunido com Ganzouri mais cedo nesta quinta-feira. O general Mokhtar al-Mullah afirmou em entrevista coletiva que o Exército esperava formar um novo governo antes das eleições parlamentares de segunda-feira. O ex-premiê confirmou que concordou em princípio em liderar um governo de salvação nacional, segundo o jornal estatal Al-Ahram.

 

Em uma tentativa de atenuar os protestos de milhares de egípcios frustrados pelo progresso no processo democrático após nove meses de governo militar, o conselho das Forças Armadas prometeu realizar as eleições parlamentares na data marcada, ou seja, na semana que vem. Mais cedo, o órgão afirmou que aceleraria a transição para um regime civil.

 

Os protestos violentos entre os manifestantes e a polícia no centro do Cairo começaram no sábado e já deixaram dezenas de mortos, relembrando as cenas de fevereiro, quando ocorreu a revolução que derrubou Hosni Mubarak. "As pessoas querem a execução do marechal", gritava a multidão, em referência a Tantawi, que foi ministro da Defesa do regime ditatorial por 20 anos.

As informações são da Dow Jones e da Reuters.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.