Junta militar examina suposta corrupção de Shinawatra

A Comissão Anticorrupção criada pela junta militar da Tailândia se reuniu para começar a estudar os milhares de casos de corrupção nos quais estão supostamente envolvidos o primeiro-ministro deposto, Thaksin Shinawatra, e pessoas próximas a ele.Antes do início da primeira reunião, a junta militar anunciou que a comissão terá poder para confiscar as propriedades que Shinawatra, seus familiares, os ministros do Governo e suas famílias possam ter adquirido de forma ilícita.A criação da Comissão Anticorrupção, liderada pelo presidente do Tribunal Supremo, Parnthep Klanarongran, foi uma das primeiras iniciativas realizadas pela junta militar depois de ela ter tomado e deposto Shinawatra na última terça-feira.Em um anúncio televisado no domingo, o conselho militar, liderado pelo general Sonthi Booyaratglin, indicou que a comissão centrará suas primeiras investigações nos maiores projetos de infra-estrutura empreendidos pelo Governo de Shinawatra."Existe suficientes provas para crer que abusaram de seu poder para beneficiar-se economicamente, e que causaram graves danos ao país", apontou o conselho em seu comunicado oficial.A junta militar citou a corrupção como uma das principais razões para dar o golpe de Estado contra Shinawatra, que se encontra em Londres desde a última quarta-feira.A família de Shinawatra, que em janeiro deste ano vendeu parte de seu conglomerado empresarial à companhia estatal de Cingapura, Temasek, por cerca de US$ 1,9 bilhão, é considerada uma das mais ricas da Tailândia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.