Junta Militar mauritana está 'preocupada com interesse do país'

Secretário-geral adjunto da Liga Árabe declarou que presidente deposto está em 'boas condições'

Efe

09 de agosto de 2008 | 10h40

O secretário-geral adjunto da Liga Árabe, Ahmed Ben Hilli, disse neste sábado, 9, após uma audiência com o presidente do Alto Conselho de Estado na Mauritânia, general Mohammed Ould Abdelaziz, que a Junta Militar está preocupada com o interesse do país.   Veja também: Ministros renunciam em protesto contra golpe na Mauritânia Exército derruba o governo da Mauritânia   Ben Hilli destacou "a importância que a Liga Árabe dá à estabilidade e à segurança da Mauritânia", e disse que "a Junta Militar está preocupada com o interesse do país."   "O general Abdelaziz me deu uma exposição sobre os motivos que conduziram a esta mudança na Mauritânia, e me garantiu que o processo democrático, as instituições parlamentares, os conselhos e os partidos políticos serão preservados", acrescentou Ben Hilli, que chegou na sexta-feira a Nuakchott, com uma mensagem do secretário-geral da Liga Árabe, Amre Moussa.   Afirmou que seu encontro com o presidente do Conselho de Estado lhe permitiu também saber as condições do presidente deposto, Sidi Mohammed Ould Cheikh Abdallahi.   Abdelaziz "me tranqüilizou sobre a saúde de Ould Cheikh Abdallahi e sobre as boas condições nas quais está", disse.   "Senti um profundo compromisso do general Abdelaziz para a segurança e a estabilidade da Mauritânia", acrescentou.   Ben Hilli disse que terá outros encontros com chefes de partidos políticos e parlamentares, a fim de obter uma imagem mais completa da situação.   Ressaltou que o general Abdelaziz afirmou que o período de transição não será longo, e disse que discutirá a situação com o representante da União Africana, que deve chegar neste sábado, 9, a Nuakchott.   "Vou dizer que se tranqüilize sobre a situação estável na Mauritânia e que há aqui pessoas preocupadas com o interesse deste país", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
Mauritânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.