TV Estatal do Egito/AP
TV Estatal do Egito/AP

Junta militar modifica calendário eleitoral no Egito

Fases da eleição terão mais um dia; pleito parlamentar ocorre na segunda, em atmosfera de tensão

Efe

25 de novembro de 2011 | 19h19

CAIRO - O presidente do Supremo Conselho das Forças Armadas, a junta militar que governa interinamente o Egito, Hussein Tantawi, aprovou nesta sexta-feira, 25, um decreto que modifica o calendário eleitoral para que haja mais dias para a votação no país. A decisão, porém, não altera o início do pleito parlamentar, marcado para a próxima segunda-feira.

 

Veja também:

especialInfográfico:  A revolução que abalou o mundo árabe

video TV Estadão: Manifestantes falam sobre eleições

mais imagens GALERIA: Enfretamentos no centro do Cairo

documento Artigo: Entre Teerã de 1979 e Berlim de 1989

blog Radar Global: Personagens, curiosidades e análises da crise

 

Segundo a agência estatal de notícias Mena, os egípcios terão mais dois dias para votar em cada uma das três fases nas quais as eleições serão realizadas. Assim, o primeiro turno da primeira fase acontecerá em províncias como Cairo e Alexandria na próxima segunda-feira, dia 28, e na terça, dia 29, enquanto o segundo turno ocorrerá nos dias 5 e 6 de dezembro.

 

A segunda fase, que será realizada em províncias como Guiza (próximo ao Cairo) e Assuã (sul), será realizada nos dias 14 e 15 de dezembro, e 21 e 22 de dezembro. Finalmente, a terceira rodada acontecerá em locais como Minya (centro) e a Península do Sinai nos dias 3 e 4 de janeiro, sendo o segundo turno uma semana mais tarde.

 

Analistas e ativistas haviam denunciado que, dado o tamanho da população egípcia - mais de 80 milhões de pessoas - seria impossível que todo o mundo votasse em um só dia.

 

Dois terços das 498 cadeiras da Assembleia Popular serão eleitos em listas fechadas reservadas aos mais de 50 partidos políticos, enquanto os demais serão escolhidos em listas abertas de candidatos individuais, que podem ser filiados a partidos ou concorrer como independentes.

 

No caso das candidaturas individuais, haverá dois turnos para decidir quem fica com a cadeira, para o caso de que os candidatos não tenham conseguido mais de 50% dos votos na primeira rodada. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.