Júri condena 100 pessoas por atentados na Índia

Cem pessoas foram consideradas culpadasno encerramento da primeira fase do julgamento pelos atentados de Mumbai de 1993, que causaram a morte de 257 pessoas.Na audiência desta segunda-feira, seis pessoas foram condenadas por colaborarem com um dos principais organizadores do massacre, Tiger Memon, que estaria escondido no Paquistão, país com o qual a Índia não tem tratado de extradição.Os seis foram acusados, entre outros crimes, de receberem treinamento no Paquistão, estarem presentes em uma reunião na qual se conspirou para o atentado e de colaborarem com sua execução, informou a agência indiana de notícias PTI.Neste julgamento, um dos mais longos e com o maior número de réus da Índia, 123 pessoas eram acusadas, das quais 23 foram absolvidas.No ataque, 257 pessoas morreram e mil ficaram feridas na explosão de 13 bombas em trens nas proximidades de Mumbai, em uma supostavingança de um grupo muçulmano pelas milhares de pessoas mortas por extremistas hindus em conflitos que sucederam a demolição de umaantiga mesquita.

Agencia Estado,

04 de dezembro de 2006 | 11h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.