Júri do caso dos ataques de 11/9 tem lição sobre Al-Qaeda

Os promotores do julgamento do único suspeito detido pelos ataques de 11 de setembro, Zacarias Moussaoui, rebateram as alegações do réu de que ele não teria envolvimento com o caso afirmando que os membros da Al-Qaeda são instruídos a mentir quando capturados. Uma das testemunhas da acusação, o agente do FBI Michael Anticev, ofereceu uma lição ao júri sobre as técnicas da Al-Qaeda para despistar os acusadores caso algum de seus membros sejam questionados. Anticev leu trechos de uma manual de treinamento da organização que incluía instruções sobre comunicação em código e como desenvolver uma história falsa caso um membro fosse preso. Segundo o manual, os membros devem estar preparados para responder qualquer questão sobre como conseguiram o dinheiro para viajar e se pertencem à organizações religiosas, entre outras coisas. O agente do FBI também citou a história da fundação da Al-Qaeda, que nasceu no Afeganistão no final dos anos 80 em resistência à ocupação soviética no país. Anticev ressaltou alguns dos nomes que farão parte do julgamento de Moussaoui nos próximos três meses, incluindo o mentor dos ataques de 11 de setembro, Khalid Shaikh Mohammed. Os advogado de Moussaoui, por sua vez, apresentaram o cidadão francês de 37 anos como um solitário que sonhava em tornar-se terrorista, mas acabou excluído dos planos dos ataques por ter sido considerado louco por um dos líderes da Al-Qaeda. O governo pede que Moussaoui seja condenado a morte, ao invés da prisão perpétua, porque ele disse mentiras que impediram as autoridades de agir contra os ataques, que mataram cerca de 3 mil pessoas. O advogado de defesa, Edward MacMahon, afirmou que o FBI sabia, há mais de uma década, que Osama bin Laden estava enviando membros para escolas de aviação americanas para se tornarem pilotos e pelo menos um deles freqüentou a mesma escola em que Moussaoui treinou, em Oklahoma. Anticev primeiro afirmou que não achava que ninguém olhava para as aeronaves como armas mas depois sob interrogação reconheceu que o FBI sabia dos planos da Al-Qaeda de lançar aviões contra a torre Eiffel Tower e uma catedral em Strasbourg, na França. Ele também admitiu que um membro da organização fora preso nas Filipinas, em 1995, e admitiu ter planos de lançar um avião contra a sede da CIA, mas Anticev negou ter ouvido sobre o caso antes do 11 de setembro. Moussaoui sorriu quanto os promotores exibiram uma entrevista de bin Laden à rede de televisão americana ABC, em 1998. Ele voltou a sorrir quando foram mostrados trechos de um vídeo de treinamento que mostrava o bombardeio do navio de guerra USS Cole, no Yemen, em 2000. Ao sair do tribunal para um recesso, o réu gritou "Deus amaldiçoe a América" e "Deus salve Osama bin Laden". A mãe do acusado, Aicha, sentou-se três fileiras atrás do filho, que a ignorou durante o julgamento. Segundo ela, ele estava chateado porque ela falou com seus advogados, a quem ele desaprova. Moussaoui declarou-se culpado em abril de conspirar com a Al-Qaeda nos seqüestros dos aviões e outros crimes. O tribunal irá apenas determinar sua punição: prisão perpétua ou pena de morte.

Agencia Estado,

07 Março 2006 | 18h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.