Juristas pedem a Bush tribunal civil para suspeitos

Uma organização internacional de juízes e advogados exortou, nesta sexta-feira, o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, a reconsiderar seus planos de utilizar tribunais militares para julgar supostos terroristas vinculados aos ataques de 11 de setembro.Em carta enviada a Bush, a Comissão Internacional de Juristas, com sede em Genebra, assinalou que está "profundamente preocupada" com a ordem executiva de 13 de novembro, que autoriza o julgamento de terroristas em cortes marciais, que, na visão dos juristas, "podem enterrar os mesmos princípios que têm o objetivo de proteger".A organização pediu a Bush para que siga as regras estabelecidas pelos Estados Unidos e outros aliados para o uso de juízes independentes nos julgamentos de Nuremberg contra os líderes nazistas, "autores dos crimes mais horrendos registrados na história".A organização, que tenta manter o império do direito no mundo, pediu também ao mandatário americano que considere "seriamente rescindir ou emendar a ordem executiva em conformidade com os requerimentos do direito internacional e da Constituição dos Estados Unidos""A melhor solução seria julgar os acusados de terrorismo diante dos tribunais civis de seu país", afirma a organização na carta enviada a Bush.A mensagem, assinada por Louise Doswald-Beck, secretária-geral da organização, cita problemas, como a possibilidade de os julgamentos secretos não divulgarem aos detidos as acusações imputadas contra eles.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.