Justiça ainda estuda executar Sakineh

As autoridades do Irã disseram ontem que seguirão adiante com os planos de executar Sakineh Mohammed Ashtiani, cuja sentença à morte por adultério desatou indignação internacional. Sakineh já cumpre pena de 10 anos de prisão pela acusação de ter matado o marido. Em meio aos protestos internacionais, Teerã suspendeu os planos de executá-la em julho de 2010. Mas ontem um funcionário do Judiciário disse que está sendo estudado se ela será executada por apedrejamento ou enforcamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.