Reuters
Reuters

Justiça alemã determina que Parlamento chame Snowden para depor

O governo alemão defendeu até agora que não poderia garantir a segurança de Snowden, que é procurado pela Justiça americana, e sua presença em Berlim poderia criar problemas diplomáticos

O Estado de S. Paulo

21 de novembro de 2016 | 15h38

BERLIM - A Corte Suprema da Alemanha determinou, em sentença publicada nesta segunda-feira, 21, que a comissão parlamentar que investiga as atividades da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) no país deve convocar Edward Snowden para depor, em cumprimento ao pedido feito pela oposição.

Para fazer isso, Snowden não precisa necessariamente viajar a Berlim, mas os deputados dos partidos do governo não podem impedir que se ele seja formalmente citado.

Os representantes da oposição na comissão investigadora tinham solicitado o depoimento de Snowden, como testemunha, em maio de 2014. Desde então, os partidos do governo alemão bloquearam a convocação e os partidos de oposição, A Esquerda e Os Verdes, apresentaram um recurso perante a Corte Suprema. Agora, o Supremo determinou que enquanto o pedido for apoiado por um quarto da comissão investigadora ele deve ter seguimento.

Snowden é considerado a testemunha mais importante no trabalho dessa comissão investigadora, que foi criada justamente em razão de suas revelações que mostraram que o trabalho da NSA na Alemanha chegava aos telefones da chanceler, Angela Merkel. O governo alemão defendeu até agora que não poderia garantir a segurança de Snowden, que é procurado pela Justiça americana, e sua presença em Berlim poderia criar problemas diplomáticos.

Os partidos da coalizão de governo (conservadores e social-democratas), atendendo aos alertas do Executivo, propuseram como alternativa interrogar Snowden em Moscou, onde está exilado, mas o ex-funcionário da NSA rejeitou a ideia e, por meio de seu advogado, disse que só testemunhará se puder viajar a Berlim. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.