Justiça alemã liberta suspeito do atentado de 11/9

Numa decisão surpreendente, a Justiça alemã suspendeu a ordem de prisão contra o marroquino Abdelghani Mzoudi, acusado de envolvimento nos atentados de 11 de setembro de 2001 nos EUA, que deixaram mais de 3 mil mortos. Mzoudi responderá ao processo em liberdade. A decisão foi adotada pelo Tribunal Superior de Hamburgo depois da leitura do depoimento de uma testemunha, assegurando que Mzoudi não tinha nenhum vínculo com a chamada "célula de Hamburgo" integrada pelos pilotos suicidas Mohamed Atta, Marvan Aleshi e Jiad Jarrah e o "representante" da Al-Qaeda Ramzi Binalshib."Só eles conheciam o plano de ataques (nos EUA)", assegurou a testemunha em depoimento ao Departamento Criminal Federal alemão (BKA). "A ordem de prisão de 19 de fevereiro fica revogada e o acusado deve ser posto imediatamente em liberdade", decretou o juiz Klaus Ruehle. Mzoudi, que era amigo dos pilotos suicidas, deixou o tribunal visivelmente aliviado, mas não fez nenhuma declaração. A advogada do marroquino, Gul Pinar, não escondia sua satisfação: "Repito o que vinha dizendo em todas as audiências: só uma amizade não é base para uma suspeita. Agora, vamos festejar..."O tribunal não revelou o nome da importantes testemunha. Mas tanto Pinar quanto o promotor Walter Hemberger acreditam tratar-se de Ramzi Binalshib, o elo entre os pilotos suicidas e a Al-Qaeda de Osama bin Laden.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.