David Moir / Reuters
David Moir / Reuters

Justiça alemã manterá preso principal suspeito no caso Maddie McCann

Sentença a Christian B. pelo estupro de uma idosa estava em aberto desde o indeferimento do Tribunal de Justiça da União Europeia, no fim de setembro, de seu recurso contra a decisão

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2020 | 11h24

BERLIM - A Justiça da Alemanha confirmou, nesta sexta-feira, 20, a pena de 7 anos de prisão pelo estupro de uma idosa, cometido por Christian B., que também é a principal suspeita do desaparecimento da menina britânica Madeleine McCann em Portugal, em 2007.

A sentença estava em aberto desde o indeferimento do Tribunal de Justiça da União Europeia (TJE), no fim de setembro, de seu recurso contra a decisão. Este veredicto havia sido emitido pela Justiça alemã no fim de 2019.

O alemão Christian B. foi condenado em dezembro de 2019 pelo estupro e pelo roubo de uma americana de 72 anos, em 2005, em Portugal, na Praia da Luz, onde a menina britânica, conhecida como Maddie McCann, desapareceu em maio de 2007.

O homem ficará preso, permitindo que os investigadores, que temiam sua possível soltura antecipada, continuem a apurar o desaparecimento da menina. 

Este caso se acelerou, repentinamente, no início de junho com a identificação deste alemão de 43 anos. Christian B. é um pedófilo reincidente, que se encontra detido em Kiel, no norte da Alemanha. 

Ele é suspeito do assassinato de Maddie que estava de férias com os pais quando desapareceu do quarto de hotel onde dormia poucos dias antes de completar 4 anos.

Em meados de junho, a Promotoria de Brunswick alegou que tinha "provas, ou fatos concretos", que sustentavam a convicção de que a menina havia morrido, mas não "evidências forenses", já que não foram encontrados restos humanos.

Segundo o advogado de Christian B. citado pela imprensa local, o homem nega qualquer envolvimento no desaparecimento de Maddie. /AFP 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Alemanha [Europa]Madeleine McCann

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.