Justiça americana autoriza eutanásia de menina de 11 anos

A mais alta instância judicial de um Estado americano autorizou a remoção dos aparelhos que mantêm viva uma menina de 11 anos, que teria sido espancada quase até à morte pelo padrasto e pela mãe adotiva. Haleigh Poutre foi internada em setembro, depois de ter sido chutada e espancada com um bastão de beisebol. O padrasto, Jason Strickland, pediu à Suprema Corte Estadual que impedisse o Estado de retirá-la do suporte de vida. Strickland já é acusado pelo espancamento, e se a menina morrer, passará a ser réu de homicídio.A mãe adotiva, Holli Strickland, que também era tia da vítima, foi acusada pelo espancamento juntamente com o padrasto. Menos de duas semanas após a violência, ela foi encontrada morta junto com a avó, num possível caso de homicídio seguido de suicídio.O departamento de assistência Social do estado tem a custódia da menina e quer retirá-la do suporte de vida, citando a opinião de médicos, de que Haleigh se encontra em estado vegetativo permanente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.