Hays County Jail
Hays County Jail

Justiça americana condena texano a mais de mil anos de cadeia por estuprar duas meninas

Segundo os documentos do processo, os abusos ocorreram de forma rotineira durante cinco anos, entre três e quatro vezes por semana, desde que as meninas tinham entre 4 e 5 anos de idade

O Estado de S.Paulo

29 Novembro 2017 | 11h21

Austin, EUA - Um texano de 48 anos foi condenado a mais de mil anos de prisão pela Justiça americana, que o considerou culpado de abusar de maneira contínua de duas meninas, de 9 anos e 10 anos, segundo informações da imprensa local.

+ Acusados de pedofilia nos EUA terão passaporte com inscrição de 'criminoso'

Um júri do Condado de Hays (Texas) condenou Robert Benjamin Franks por abusar sexualmente das meninas e também por nove acusações de agressão sexual agravada contra um outro menor, cuja idade não foi informada, e seis acusações de comportamento indecente com uma criança.

No total, o texano foi condenado a 1.011 anos de prisão e, além disso, terá de pagar multa de US$ 93 mil, de acordo com documentos judiciais obtidos pela emissora de TV local KXAN.

Franks foi preso em junho do ano passado, quando uma das vítimas, uma menina de 9 anos, disse ao seu pai que ele estava fazendo "coisas repugnantes" com ela e outra menina, de 10, informou o jornal San Antonio Express-News.

A outra criança inicialmente tinha negado ter sido abusada, mas depois confirmou para as autoridades que o homem a tinha agredido sexualmente durante anos.

Segundo os documentos do processo, os abusos ocorreram de forma rotineira entre três e quatro vezes por semana, desde que as meninas tinham entre 4 e 5 anos de idade.

"As palavras não expressam realmente a profundidade da traição e indignação justificada por uma conduta como esta, cometida por um homem que deveria estar cuidando e protegendo essas crianças", disse o promotor do condado de Hays, Wes Mau. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.