Justiça americana ordena fim de expulsão de homossexuais das Forças Armadas

ESTADOS UNIDOS

, O Estado de S.Paulo

13 de outubro de 2010 | 00h00

A Justiça dos EUA ordenou ontem o fim da aplicação da lei que proíbe os soldados americanos de revelarem sua orientação sexual, exigindo que o governo suspenda "imediatamente" qualquer expulsão das Forças Armadas por esse motivo. Conhecida como "Don"t Ask, Don"t Tell" ("Não pergunte, não diga"), a lei era, na verdade, um acordo de compromisso firmado em 1993, que tentava resolver a complicada questão dos homossexuais nas Forças Armadas. Ela não permitia que os militares perguntassem a orientação sexual dos soldados, mas autorizava a demissão daqueles que fossem assumidamente homossexuais. A juíza Virginia Phillips ordenou que o governo interrompa qualquer investigação ou procedimento decorrente da lei, que viola os direitos civis dos militares gays. O governo tem 60 dias para recorrer, mas ainda não se manifestou sobre a decisão. O secretário de Defesa Robert Gates e o almirante Mike Mullen, chefe do Estado-Maior Conjunto, porém, apoiam ao fim da proibição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.