Justiça argentina abranda regime de prisão de Menem

O ex-presidente argentino Carlos Menem volta a gozar, a partir de hoje, de um regime de prisão domiciliar sem restrições no número de pessoas que vivem com ele ou o visitam na ampla casa de campo onde está alojado, em cumprimento a uma decisão judicial. Um tribunal federal anulou hoje os limites impostos pelo juiz Jorge Urso, que havia rejeitado o pedido de Menem de ter 22 serviçais na residência e havia limitado o número de visitas ao ex-mandatário a duas de cada vez, entre as 9h e as 21h, embora tivesse deixado os familiares e advogados fora dessas restrições. Menem está em prisão domiciliar desde 7 de junho passado e escolheu como residência uma casa de campo pertencente a um amigo e ex-funcionário, a 14 quilômetros de Buenos Aires. Urso processou o ex-presidente (1989-1999) como suposto chefe de uma organização que realizou vendas ilegais de armas, no valor de US$ 100 milhões, à Croácia e ao Equador entre 1991 e 1995.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.