Justiça argentina embarga bens de De la Rúa

A Justiça argentina anunciou que o ex-presidente Fernando De la Rúa (1999-2001) sofrerá a aplicação de um embargo de seus bens pelo valor de 220 mil pesos (US$ 73 mil). De la Rúa está sendo processado por suposto uso indevido de fundos públicos quando era prefeito da cidade de Buenos Aires.De la Rúa é suspeito de ter pago os salários de um jardineiro, um mordomo e uma dama de companhia para sua residência privada com fundos públicos. A Justiça considera que o ex-presidente e ex-prefeito não podia ignorar que as pessoas que trabalhavam em sua casa eram pagas com dinheiro da prefeitura.De la Rúa também está sendo investigado pelas cinco mortes de manifestantes que pediam sua renúncia à presidência da República em 20 de dezembro de 2001. Nesse dia, milhares de pessoas iniciaram uma rebelião popular que tumultuou o centro da capital argentina. Os manifestantes, que protestavam na Praça de Mayo, na frente da Casa Rosada, a sede do governo, foram reprimidos pela polícia com requintes de crueldade.Segundo diversas testemunhas das forças de segurança, a ordem de reprimir e "limpar" a praça de manifestantes a qualquer custo, teria sido emitida pelo próprio De la Rúa. O ex-presidente nega as acusações.

Agencia Estado,

24 de dezembro de 2004 | 11h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.