Justiça argentina fecha cerco ao casal Kirchner

O juiz federal Norberto Oyarbide anunciou que pedirá formalmente esta semana ao Departamento Anticorrupção a análise da declaração de patrimônio da presidente argentina, Cristina Kirchner, e do marido dela, o ex-presidente Néstor Kirchner (2003-2008), para apurar por que o patrimônio do casal cresceu 158% só em 2008. Caso o parecer do Departamento Anticorrupção indique que a declaração de renda não justifica o aumento do patrimônio, Oyarbide pedirá a abertura de investigação por suposto enriquecimento ilícito.

Ariel Palacios, BUENOS AIRES, O Estadao de S.Paulo

08 de setembro de 2009 | 00h00

O jornal Clarín - citando fontes ligadas à residência presidencial - indicou que o diretor do Departamento Anticorrupção, Julio Vitobello, participou de jogos de futebol que o ex-presidente Kirchner organiza todas as sextas-feiras.

Oyarbide também investiga o chamado "escândalo dos medicamentos", que envolve donos de laboratórios clandestinos que fizeram doações para a campanha presidencial de Cristina, em 2007. Ontem, Oyarbide anunciou que na casa de um dos empresários detidos, Néstor Lorenzo, a polícia encontrou fotocópias de cheques destinados à campanha. Segundo o juiz, Lorenzo produzia remédios falsos para o tratamento de câncer.

Também ontem, o jornal La Nación publicou uma reportagem sobre o suposto uso irregular da frota aérea presidencial pelos Kirchners para transportar pessoas e objetos até a residência que mantêm em El Calafate, no extremo sul do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.