Justiça argentina suspende libertação de ex-torturadores

O tribunal penal máximo da Argentina suspendeu hoje a libertação de 17 acusados de delitos de lesa humanidade durante a ditadura militar argentina de 1976-1983, entre eles os ex-militares Alfredo Astiz e Jorge Acosta, considerados símbolo da repressão e da barbárie.Após fortes críticas contra a libertação dos 17, a sala II da Câmara Nacional de Cassação Penal decidiu suspender a execução da sentença que havia adotado um dia antes, informou a assessoria de imprensa dos tribunais judiciais. A decisão foi tomada atendendo a um pedido do fiscal Raúl Plee, no qual ele solicitava que as libertações fossem suspensas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.