Enrique Marcarian REUTERS
Enrique Marcarian REUTERS

Justiça argentina valida candidatura de Menem a senador

Câmara Nacional Eleitoral declarou que a proposta de banir ex-presidente condenado por tráfico de armas não tem interesse jurídico atual e a candidatura se encontra habilitada

O Estado de S.Paulo

25 Agosto 2017 | 11h30

BUENOS AIRES - A Justiça eleitoral argentina habilitou nesta sexta-feira, 25, a candidatura do ex-presidente Carlos Menem ao Senado nas legislativas de 22 de outubro, ao rejeitar a impugnação solicitada pela aliança que governa o país. A Câmara Nacional Eleitoral declarou que a proposta "não tem interesse jurídico atual" e considerou portanto que "a candidatura se encontra  habilitada".

A aliança Cambiemos, do presidente Mauricio Macri, havia apresentado um recurso para impedir o ex-presidente (1989-99) de disputar as primárias de 13 de agosto, com base na condenação a sete anos de prisão contra ele pela venda ilegal de armas à Croácia e Equador entre 1991 e 1995. Menem foi absolvido por um tribunal e depois condenado por uma corte de revisão, motivo pelo qual tem acesso a um "direito de recurso" cujo trâmite está pendente, entendeu a Corte Suprema de Justiça ao rejeitar a impugnação.

O trâmite chegou ao tribunal superior, que terminou ordenando à justiça eleitoral revisar a inabilitação do pré-candidato determinada em primeira instância. A aliança do presidente Mauricio Macri havia solicitado à justiça eleitoral a adequação da lista com o nome de Menem e sua substituição por outro candidato.

O trâmite impediu Menem, de 86 anos, de disputar as primárias como pré-candidato do Partido Justicialista. Mas, curiosamente, ele foi o candidato mais votado em sua província natal de La Rioja porque as autoridades eleitorais não tiveram tempo de imprimir novas cédulas sem o seu nome.

Em junho, a justiça confirmou a sentença de 2013 contra Menem de sete anos de prisão por contrabando de material bélico e 14 anos de perda dos direitos políticos.  Menem não foi para a prisão por possuir fórum parlamentar./AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.