Justiça belga aceita processo contra general israelense

A Justiça belga aceitou um processo por crimes contra a humanidade contra o general israelense Amos Yaron, por sua suposta responsabilidade na matança nos campos de refugiados palestinos de Sabra e Chatila (Líbano) em 1982. Entre 800 e 2 mil civis palestinos foram mortos pelas milícias cristãs libanesas, aliadas de Israel. A denúncia, que foi apresentada em 2001 por um grupo de 24 sobreviventes do massacre, inclui acusações contra outros líderes israelenses, entre eles o primeiro-ministro Ariel Sharon. A máxima instância de apelação belga declarou em fevereiro admissível o processo contra Sharon, mas rejeitou processá-lo enquanto ele conservar a imunidade política.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.