Francois Lenoir / Reuters
Francois Lenoir / Reuters

Justiça belga condena filho de brasileira a 5 anos por terrorismo

Ao menos 45 membros do grupo Sharia4Belgium foram julgados; líder da organização terá de cumprir 12 anos de prisão

O Estado de S. Paulo

11 de fevereiro de 2015 | 10h21


(Atualizada às 10h48) BRUXELAS - O grupo radical islâmico  Sharia4Belgium, que recrutava jovens para lutar na Síria, foi declarado uma organização terrorista pela Justiça da Bélgica nesta quarta-feira, 11. No total,  46 suspeitos de pertencerem à organização estão sendo julgados, mas apenas 8 compareceram ao julgamento. 

Entre os condenados está Brian de Mulder, filho da brasileira Rosana Rodrigues. Ele deixou a Bélgica para lutar na Síria. Ele foi julgado in absentia e recebeu uma pena de cinco anos de prisão, segundo o jornal belga De Standaard.

O líder do grupo Sharia4Belgium, Fouad Belkacem, foi condenado a 12 anos de prisão.  

A polícia belga tem fechado o cerco nos últimos dois anos a grupos radicais no país. No mês passado, uma operação antiterrorista em Verviers logo após os atentados em Paris terminou com a morte de dois suspeitos de jihadismo.  

Dmitri Bontinck, pai de um dos suspeitos, Jejoen Bontick, inocentado após ter concordado em testemunhar contra o grupo, disse que o julgamento pode provocar protestos na comunidade islâmica belga.

"Esse veridicto pode criar mais ódio e frustração", disse. / AP

Tudo o que sabemos sobre:
Belgicaterrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.