Justiça chilena abre testamento de Pinochet

A Justiça chilena abriu ontem o testamento final do ditador Augusto Pinochet, que morreu em 2006, na esperança de que o documento ajude a revelar o paradeiro de milhões de dólares que o general supostamente enviou para contas secretas no exterior. O testamento, entretanto, não continha detalhes sobre o tamanho e o paradeiro da fortuna de Pinochet - para a frustração de muitos chilenos. O documento tinha apenas algumas alterações em relação ao testamento feito pelo ditador no ano 2000.

O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2012 | 03h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.