Justiça chinesa executa mais 14 pessoas

Os tribunais chineses de municipalidade de Chongqing e província de Hunan, no sul da China, condenaram ontem a morte de outras 14 pessoas dentro da quarta campanha lançada pelo governo comunista para acabar com a delinqüência e a criminalidade no país, informou a agência de notícias Xinhua. Os condenados, membros da quadrilha que operava no sul e no centro da China, foram declarados culpados por diversos delitos, entre eles o assassinato de pelo menos 28 pessoas e roubo e comércio ilegal de armas e munições. Os acusados reconheceram seus delitos, cometidos entre junho de 1991 e setembro de 2000.Pelo menos 168 pessoas foram executadas nos últimos nove dias, normalmente com um tiro na nuca e em lugares públicos, e outras 73 foram condenadas à pena capital por delitos comuns. A campanha, a quarta desde 1983, foi duramente criticada pela Anistia Internacional que considera a medida uma ferramenta das autoridades chinesas para reprimir a liberdade da população.De acordo com a Anistia Internacional, a China é o país onde se produz o maior número de execuções no mundo. Somente no ano passado, cerca de 4 mil pessoas foram executadas. Em 1999 a China condenou à morte 2.088 pessoas, o que supõe uma média de 40 execuções semanais, um recorde mundial. Leia Também:China executa 28 em um só dia

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.