Justiça chinesa mantém prisão de colaborador do <i>NYT</i>

A Corte Suprema Popular de Pequim ratificou nesta sexta-feira a pena de três anos de prisão por fraude para Zhao Yan, colaborador do jornal americano The New York Times. A decisão vem depois da apelação do advogado do jornalista, Guan Anping, que tenta tirar da cadeia seu cliente, detido desde setembro de 2004.A organização Repórteres sem Fronteiras (RSF) tinha pedido em comunicado à Justiça chinesa a imediata libertação do jornalista. O repórter foi condenado dia 25 de agosto a três anos de prisão por fraude pelo Tribunal Número 2 de Pequim. Ele foi absolvido das acusações de divulgar segredos de Estado.Segundo a sentença, a fraude aconteceu em 2001, quando o jornalista viajou, enviado pelo jornal Baixing Xinbao, à província de Jilin, para investigar a história de um homem chamado Feng Shanchen, que cumpria pena de um ano e meio num campo de trabalho.Feng considerava a pena injusta e pediu ajuda a Zhao, que disse ter conexões com o Escritório de Assuntos Legislativos do Conselho de Estado (Executivo), conseguindo em troca US$ 2.500 com a promessa de usar sua influência, segundo a sentença do tribunal.Segundo a RSF, o julgamento do jornalista foi infestado de irregularidades. Zhao sempre insistiu em sua inocência.A autêntica razão da condenação foi, de acordo com os grupos defensores da liberdade de expressão, uma informação publicada em 2004 pelo The New York Times, antecipando a aposentadoria política do ex-presidente Jiang Zemin, e suas desavenças com Hu Jintao.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.