Justiça condena 14 por atentados no Sinai

Um tribunal egípcio condenou ontem 14 homens de uma seita extremista à morte por enforcamento, responsabilizando os acusados por ataques contra a polícia na Península do Sinai. Eles são membros da seita El-Tawihd wi al-Jihad, do movimento Takfiri, grupo extremista islâmico. O líder da seita foi executado pelo governo egípcio em 1978, quando Anwar Sadat era presidente. Seis dos acusados estavam presentes ao anúncio das sentenças. O presidente Mohamed Morsi (foto) considerou a caça aos autores uma prioridade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.