Justiça condena jornalista a cinco anos de prisão na China

A Corte Suprema Popular de Pequim confirmou nesta sexta-feira a pena de cinco anos de prisão para o jornalista Ching Cheong, de Hong Kong, correspondente do jornal Straits Times, de Cingapura, rejeitando um recurso da defesa, informou a agência oficial de notícias Xinhua. A Justiça considerou o correspondente culpado de espionagem a favor de Taiwan. Ching também perdeu seus direitos políticos durante um ano e foi multado em US$ 37,5 mil. Segundo um juiz, o tribunal "garantiu completamente" o direito de apelação a Ching, após as denúncias de seus advogados e parentes de irregularidades no primeiro julgamento. A ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF) exigiu na quarta-feira imediata liberação de Ching, que considera inocente. O jornalista foi condenado em 31 de agosto, acusado de colaborar com agentes dos serviços de espionagem taiwaneses. "Entre maio de 2004 e abril de 2005, ele forneceu informação sobre segredos de Estado e de inteligência através de fax e e-mail. Aceitou como pagamento 300 mil dólares de Hong Kong (US$ 38,5 mil)", afirma a sentença. O julgamento durou sete horas. O jornalista estava detido há 16 meses e sua mulher, a também jornalista Mary Lau Man-yee, disse que o juiz só levou em conta as informações da promotoria, ignorando a defesa.

Agencia Estado,

24 Novembro 2006 | 05h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.