Justiça coreana autoriza investigação de presidente eleito

Promotor independente investiga suposta participação de Lee Myung-bak na manipulação do preço de ações

Efe,

10 de janeiro de 2008 | 04h47

O Tribunal Constitucional da Coréia do Sul considerou nesta quinta-feira, 10, legítima a investigação de um promotor independente sobre uma suposta fraude financeira atribuída ao presidente eleito, Lee Myung-bak. Na decisão judicial, cuja leitura foi transmitida ao vivo pela televisão, o tribunal autorizou a investigação, que começará na próxima semana. O caso será investigado pelo promotor independente Chung Ho-young, nomeado na segunda-feira pelo presidente Roh Moo-hyun. Sua missão será esclarecer uma suposta participação do presidente eleito na manipulação do preço das ações, em 2001, pela firma de consultoria BBK. No entanto, o tribunal considerou anticonstitucional a convocação de testemunhas sem uma ordem de detenção. Isso pode limitar a atuação do promotor. Lee nega qualquer envolvimento no caso. A Promotoria sul-coreana, em dezembro, retirou a acusação contra ele por não ter achado provas.

Tudo o que sabemos sobre:
Coréia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.